qui, 21/12/2023 - 10h59
Compartilhar

SP capacitou 6,6 mil professores e profissionais de educação física em modalidades paralímpicas

Iniciativa das secretarias de Esportes e dos Direitos da Pessoa com Deficiência leva conhecimento técnico, teórico e prático

Celeiro de grandes de atletas, São Paulo capacitou mais de 6,6 mil professores, alunos e profissionais de educação física de mais de 300 municípios paulistas com o Programa de Desenvolvimento Paralímpico.

A iniciativa é coordenada pelas secretarias estaduais de Esportes e dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

Com a meta de universalizar o esporte e promover a inclusão, o projeto está na sua terceira etapa e acumula mais de 4.100 horas de aulas práticas e teóricas e 280 dias de capacitação.

“O esporte paulista está cada vez mais forte. Nossos atletas têm representado o Estado de São Paulo e nosso País com muita garra e responsabilidade. Continuaremos incentivando e desenvolvendo o esporte em sua totalidade, incluindo a categoria paralímpica”, afirmou a secretária de Estado de Esportes, coronel Helena Reis.

O Programa de Desenvolvimento Paralímpico foi criado em 2021. Nove etapas foram realizadas na primeira edição. No ano seguinte, outras 25 etapas foram concluídas e 2.373 pessoas foram capacitadas. Este ano, 36 etapas foram realizadas em municípios do interior do Estado, capital e região metropolitana.

“Em 2021, capacitamos 388 pessoas, número que aumentou para 2.373 em 2022 e alcançou 3.830 pessoas em 2023, representando um crescimento de 61% em relação ao ano passado e um impressionante aumento de quase dez vezes a quantidade do ano retrasado. Para 2024, nossa meta é expandir ainda mais essa iniciativa. Este programa tem prosperado devido à crescente conscientização dos profissionais de educação física sobre a importância de incluir alunos com deficiência tanto nas práticas esportivas quanto no cotidiano”, destaca o secretário de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Marcos da Costa.

“Quando eu me vi totalmente envolvido com a pessoa com deficiência, foi quando decidi, de fato, seguir na área. Hoje posso dizer que só conseguiria realmente trabalhar com o esporte paralímpico”, conta Adeilton Sene, profissional de educação física.

Sene conta que acompanha outros profissionais que participa do curso de desenvolvimento paralímpico e percebe a mudança promovida pelas atividades. “Saem daqui com uma visão totalmente diferente em relação à pessoa com deficiência”, completa.

Recentemente, o Brasil fez história nos Jogos Parapan-Americanos de Santiago 2023 com a marca de 343 medalhas conquistadas. Distribuídas, foram 156 ouros, 98 pratas e 89 bronzes. O desempenho dos atletas brasileiros se tornou a melhor campanha do país na história da competição.

Os 61 atletas do Time São Paulo Paralímpico, criado pela Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SEDPcD), que participaram do Parapan conquistaram 98 medalhas, sendo 55 de ouro, 26 de prata e 17 de bronze. As conquistas foram cruciais para a vitória do Brasil.

“Queremos assistir cada vez mais as conquistas no esporte, que nossas bandeiras continuem tremulando e nossos atletas conquistem o mundo”, disse a secretária estadual de esportes.

Foto: Instituto Athlon